Seleção de Cor Seleção de Cor

Seleção de cor em Odontologia: O miniguia fundamental

6 minutos para ler

Um dos grandes desafios enfrentados pelos profissionais de Odontologia no dia a dia da profissão é realizar a seleção de cor ideal para cada paciente.

Esse procedimento é essencial para garantir a estética do sorriso e, portanto, a qualidade de vida e a satisfação dos pacientes. Logo, é fundamental dominar as técnicas que garantem uma eficiente seleção de cor na odontologia.

Há diversos critérios e etapas de comparação a serem analisados para a escolha da melhor cor de resina composta. Para ajudá-lo nessa tarefa, elaboramos um miniguia fundamental de seleção de cor em Odontologia, com as principais definições e procedimentos que você precisa conhecer e aplicar em seu consultório. Acompanhe-nos a partir de agora!

Importância da seleção de cor em Odontologia

Até poucas décadas atrás, a seleção de cor em Odontologia era realizada de maneira empírica. Devido à grande variação de percepção de cor entre os indivíduos, os resultados, muitas vezes, não eram completamente satisfatórios.

Com o aumento recente da demanda por restaurações e a maior preocupação estética dos pacientes, a seleção de cor tornou-se uma etapa crítica para o sucesso dos procedimentos odontológicos.

Logo, obter uma melhor harmonia do sorriso através da compreensão da escala de cor da resina para cada paciente é um diferencial fundamental para os profissionais de Odontologia.

Principais critérios na seleção de cor em Odontologia

Existem diversos critérios que afetam a seleção de cor da resina composta para mimetizar de maneira eficaz o elemento dental natural do paciente. Desse modo, é primordial considerar os seguintes parâmetros:

Matiz

O matiz é o elemento fundamental da cor, o qual permite ao observador diferenciá-la entre as demais famílias de cores.

Croma

O croma é o componente que determina os diferentes graus de saturação de um matiz, variando de acordo com a porcentagem de pigmento utilizado.

Valor

O valor corresponde à luminosidade da cor, sendo determinado pela quantidade de pigmento branco que a cor contém. É um dos critérios mais subjetivos na seleção de cor em Odontologia e sua correta avaliação garante um resultado harmônico.

Fonte de Iluminação

A percepção correta das cores só pode ser obtida em um ambiente com iluminação equilibrada e controlada, uma vez que diferentes fontes de iluminação afetam a visualização das cores.

Sugere-se como condição ideal para a seleção de cor uma iluminação que emule a luz solar natural, entre 4500K e 5500K.

Textura

A superfície natural dos dentes é repleta de irregularidades, as quais modificam a reflexão e a refração da luz e, portanto, interferem na cor visualizada. Desse modo, o grau de polimento das restaurações deve ser avaliado para mimetizar a textura natural dos dentes do paciente.

Translucidez e opacidade

O elemento dental possui diferentes graus de translucidez e opacidade, devido à diferença desses parâmetros entre os diversos tecidos que o compõem.

Enquanto o esmalte apresenta alta translucidez, a dentina reflete grande porcentagem da luz incidente. Por isso, é importante identificar o grau de translucidez ideal para a restauração, de acordo com a localização do dente e a idade do paciente.

Conhecimento da resina composta

O profissional em Odontologia deve possuir conhecimento sobre o material restaurador a ser utilizado, avaliando características como fluorescência, opalescência e contra opalescência, de modo a encontrar a resina que traga o resultado mais natural possível ao paciente. Saiba tudo sobre as resinas compostas!

Dental Tiradentes

Escalas de cores utilizadas em Odontologia

Para a seleção de cor ideal da resina composta utilizada nas restaurações, são utilizadas escalas de cores preestabelecidas, com pequenos intervalos entre matiz, croma e valor. Dentre as escalas existentes, a Escala Vita Lumim Vacuum tornou-se referência entre os fabricantes de resinas e cerâmicas e, portanto, é a mais indicada para a seleção de cor em Odontologia.

Nessa escala, os matizes são determinados pelas letras A, B, C e D, sendo:

A: Amarelo amarronzado
B: Amarelo
C: Cinza
D: Rosa acinzentado

Já o croma na odontologia é definido pelos números de 1 a 4, em ordem crescente de saturação. Para a determinação do valor, recomenda-se utilizar a seguinte ordem decrescente em relação à luminosidade: B1, A1, B2, D2, A2, C1, C2, D4, A3, D3, B3, B4, C3, A4 e C4.

Devido à grande importância do valor no resultado estético final, foi desenvolvida mais recentemente a Escala Vitapan 3D Master, a qual enfatiza esse critério na seleção da cor.

Nessa escala, inicia-se com a definição da luminosidade através de números de 1 a 5. A seguir, seleciona-se a intensidade nos valores 1; 1,5; 2,5 e 3. Por fim, determina-se o matiz como M (médio), L (mais amarelado) ou R (mais vermelho).

Escala de Cor

Metodologias utilizadas na seleção de cor em Odontologia

A seleção de cor pode ser realizada através de duas metodologias de comparação: instrumental ou visual.

Na metodologia instrumental, é utilizado um aparelho chamado espectrofotômetro, o qual realiza a leitura da cor do dente natural do paciente e, através de softwares, compara o resultado com escalas de cor preestabelecidas, selecionando a melhor combinação.

Porém, em razão do alto custo do aparelho e a falta de estudos sobre sua precisão, essa metodologia de seleção de cor é pouco utilizada na Odontologia.

Dessa forma, a maioria dos profissionais realiza a seleção de cor utilizando a comparação visual. Nesse caso, é fundamental adequar a iluminação do consultório para obter um resultado confiável.

Como etapa preparatória, é preciso certificar-se que os dentes do paciente estejam limpos e sem manchas. Também é importante que o paciente seja coberto por um campo de cor neutra para evitar que as cores de suas roupas interfiram na seleção.

O procedimento deve ser realizado antes do processo de isolamento absoluto, pois a desidratação resultante tende a tornar o elemento dental mais claro. Desse modo, é recomendado que os dentes sejam umedecidos antes da comparação.

Inicialmente, o profissional deve selecionar as porcelanas que mais se adéquem ao critério de valor dos dentes naturais do paciente. A seguir, verifica-se o matiz e por fim, o croma.

É importante que, durante a comparação, as porcelanas estejam no mesmo eixo do elemento dental, devido às diferenças de translucidez e opacidade verificadas na extensão do dente.

A seleção de cor ideal para cada paciente

Conforme você pôde acompanhar ao longo do artigo, a seleção de cor é uma etapa fundamental para garantir o sucesso dos procedimentos em Odontologia e a satisfação dos pacientes.

Portanto, dominar as técnicas que garantem a análise correta da escala de cor das resinas compostas irão te auxiliar na seleção de cor. Portanto, isto é uma das habilidades essenciais para os profissionais da área.

Caso você tenha mais alguma dúvida sobre esse assunto, escreva nos comentários e não deixe de acompanhar todas as nossas publicações sobre Odontologia.

Escala de Cor
Posts relacionados

Deixe um comentário

Facebook
Instagram